Números de 2017 – A Mediocridade e a Excelência

Números de 2017 – A Mediocridade e a Excelência

28 Dezembro, 2017 Não Por Pedro Sousa Coelho

A 15 de novembro analisámos cada um dos jogadores do plantel do SL Benfica para tentar perceber se existiam, ou não, alternativas, numa altura em que o SL Benfica seguia a cinco pontos do primeiro lugar e ainda estava em todas as competições. Um mês e meio depois, o SL Benfica conseguiu encurtar a diferença para os líderes do campeonato (que é agora de três pontos), mas já está fora das competições europeias, Taça de Portugal e Taça da Liga, estando, por isso, apenas, a lutar no campeonato. Será que os jogadores que se destacavam em novembro continuam hoje a merecer a confiança de Rui Vitória?  

 

Antes de se responder a essa pergunta, fica apenas uma nota: a cada jogador são atribuídas duas pontuações: a primeira corresponde à avaliação de novembro e a segunda à atual.  

 

1.       Svilar (7/6) – Em novembro, Svilar era o guarda-redes mais indicado para assumir a titularidade. Contudo, uma gripe e uma gastroenterite afastaram-no dos relvados em jogos decisivos. Desde aí, sempre que é chamado por Rui Vitória não parece o mesmo guarda-redes. Tem ainda muito a evoluir.  

2.      Bruno Varela (5/7) – A exibição frente ao Boavista foi, no entender de Rui Vitória, suficiente para que o jogador português perdesse a titularidade. Contudo, o treinador teve de voltar a chamar Bruno Varela quando Svilar e Júlio César estiveram indisponíveis. Melhor resposta era difícil. O guarda-redes português não se mostrou em nada abalado com o afastamento da equipa e correspondeu a todos os níveis. É a ele que o SL Benfica pode agradecer o nulo no clássico.  

3.      Paulo Lopes (-/-) – Ainda não jogou em competições oficiais esta época, mas a rescisão de Júlio César promoveu-o a terceiro guarda-redes, pelo que tem de ser mencionado.  

4.       Douglas (2/2) – Mesmo que saiba cruzar e consiga ser mais um elemento ofensivo, não dá quaisquer garantias na defesa, devendo abandonar o plantel do SL Benfica no mercado de inverno. Contratação falhada.  

5.       André Almeida (5/7)  –  Marcou já dois golos no campeonato (Portimonense e Vitória de Setúbal). Está a cruzar como nunca se tinha visto e dá garantias na defesa. Conseguiu agarrar o lugar, sendo que é importante referir que não terá nenhum substituto se Douglas sair, pelo que é importante que o SL Benfica se reforce nesta posição.  

6.       Luisão (6/6) – O eterno capitão encarnado já teve melhores dias e claramente é fácil passar em corrida por ele. Contudo, quando está bem posicionado, a experiência faz com que resolva praticamente todos os lances. E voltou aos golos, frente ao Vitória de Setúbal. Saiu lesionado do jogo com o Rio Ave para a Taça de Portugal, sendo baixa confirmada para o derby.  

7.       Jardel (4/6) – Após a lesão de Rúben Dias assumiu a titularidade e não tem comprometido. Será ele o capitão no derby, devido à ausência de Luisão. Mesmo que não tenha a velocidade de outros tempos, conta com a experiência e com o poderio físico para tomar as melhores decisões quando está bem posicionado.  

8.       Lisandro (3/5) – As lesões de Luisão e de Rúben Dias deram-lhe a titularidade. Não comprometeu, tendo até marcado um golo frente ao Portimonense. Tem ainda espaço para crescer, mas não deixa de ser uma opção viável para o treinador.  

9.       Ruben Dias (9/8) – A apendicite afastou-o da equipa, mas parece ter regressado com a mesma clarividência. Espera-se que seja titular, ao lado de Jardel, frente ao Sporting CP.  

10.   Grimaldo (7/7) – As lesões tiram-lhe muito do potencial, mas, se estiver em forma, consegue ser um dos melhores jogadores do SL Benfica. É, por isso, um jogador inconstante que consegue tanto fazer excelentes exibições (como frente ao Tondela), como jogos para esquecer (como frente ao FC Porto). 

11.   Eliseu (6/5) – Dá garantias, mas foi subitamente afastado da equipa, o que pode indiciar uma saída em janeiro. É, no nosso entender, um erro, dado que Eliseu já provou que não compromete e pode ser uma mais-valia.  

12.   Fejsa (7/7) – Não tem sido o Fejsa de outras épocas. Contudo, continua a oferecer a consistência defensiva a que nos tem habituado e que fazem dele titular indiscutível. 

13.   Samaris (6/6) – Marcou em Guimarães e cumpre sempre que é chamado. Tem como principal ponto negativo o facto de ser excessivamente intempestivo, o que traz consequências. 

14.   Filipe Augusto (4/3) – Rui Vitória afastou-o finalmente do lote de jogadores titulares, dado que o brasileiro nunca correspondeu nas muitas oportunidades que teve.  

15.   Pizzi (7/7) – O jogo em Tondela parece indiciar que o melhor Pizzi está de volta. Os próximos jogos, nomeadamente o derby, serão decisivos para confirmar isso.  

16.   Krovinovic (7/9) – Foi a melhor contratação do SL Benfica esta época e é ele o pulmão do 4x3x3. Provou ser um titular indiscutível e o complemento ideal para Pizzi. Os bons resultados que a equipa tem apresentado no campeonato devem-se, e muito, ao médio croata.  

17.   Salvio (8/9) – Está a realizar uma das melhores épocas ao serviço do SL Benfica, já tendo marcado em numerosas ocasiões. Nunca desiste de um jogo, por muito cansado que esteja. A par de Krovinovic leva a equipa para a baliza adversária, tarefa que executa com nota artística.  

18.   Diogo Gonçalves (8/6) – Desapareceu da equipa com a ascensão de Cervi. Quando é chamado não tem correspondido da mesma forma. É importante que trabalhe no sentido de voltar a fazer as exibições a que habituou os adeptos encarnados.  

19.   Cervi (6/8) – Aproveitou a quebra de rendimento de Diogo Gonçalves e assumiu a titularidade. A continuar assim será o extremo esquerdo predileto de Rui Vitória. É muito rápido e lutador e marca, ao contrário de Diogo Gonçalves.  

20.   Zivkovic (4/6)  – Entrou bem quando foi chamado por Rui Vitória, mas não nos podemos esquecer da expulsão absurda no Dragão, seis minutos depois de ter entrado em campo.  

21.   Rafa (3/3) – Desapareceu completamente da equipa. Nos jogos em que entrou não correspondeu e isso custou-lhe caro. É importante que não seja também descartado da equipa, mas tem de fazer um trabalho suplementar para garantir que volta a ter as qualidades que tinha no SC Braga e que, desde que chegou ao SL Benfica, têm andado desaparecidas. Ainda não provou o valor que tem e que fez o SL Benfica investir quase 20 milhões de euros. 

22.    João Carvalho (-/4) – Mostrou apontamentos positivos quando jogou, mas ainda tem muito a crescer. 

23.   Gabriel Barbosa (4/2) – Marcou frente ao Olhanense e desapareceu da equipa, o que pode indiciar uma saída em janeiro. Prometeu muito, quase nada mostrou.  

24.   Seferovic (6/5) – Começou a época de forma exemplar, mas continua a atravessar uma crise de confiança. Já provou que é capaz de muito mais, tem de voltar a mostrar isso.  

25.   Raul (6/5) – É o jogador que mais vezes entra e tem sido o escolhido na liga dos campeões. Mesmo que garanta mais presença ofensiva, não marca tantas vezes como seria desejado para um ponta de lança. Diz-se que poderá sair em janeiro, o que pode ser um erro. Contudo, a verdade é que Raul tem mostrado muito pouco nas últimas semanas.  

26.   Jonas (10/10) – É claramente o melhor jogador do SL Benfica na presente temporada, participando na grande maioria dos golos. Mesmo em 4x3x3, um sistema mais desgastante e onde é o único ponta-de-lança, continua a marcar. Vamos esperar que consiga manter este nível, o que, já se sabe, não será fácil. 

 

A passagem do 4x2x2 para o 4x3x3 potenciou a ascensão de jogadores que não se tinham mostrado no início da época. Em sentido contrário, outros jogadores começaram muito bem e foram-se perdendo. Este facto é apenas mais uma prova da irregularidade exibicional do SL Benfica que já custou três competições. Estando agora apenas a lutar pelo campeonato, exige-se que se mostre mais consistência e que se ataque cirurgicamente o mercado de inverno.  

 

Última nota para o SL Benfica x Sporting CP que se vai jogar na próxima quarta-feira. Não é o jogo da época, nem é a salvação da temporada. É apenas mais um jogo. Contudo, perder um clássico em casa complica as contas do campeonato e pode implicar a saída do treinador. Não se quer isso. O SL Benfica já provou que consegue fazer jogos irrepreensíveis. Este jogo tem de ser um desses. Se empatou frente ao FC Porto, que não perdeu mais pontos em casa, o SL Benfica terá de conseguir, pelo menos, empatar com o Sporting CP, em casa, onde ainda não perdeu pontos esta época para o campeonato. É com essa ideia em mente que os jogadores têm de entrar em campo. Se isso acontecer, só se podem esperar bons resultados.